Home » » Oh Sweet Idleness

Oh Sweet Idleness

"Odors have a power of persuasion stronger than that of words, appearances, emotions, or will. The persuasive power of an odor can't be fended off, it enters into us like breath into our lungs, it fills us up, imbues us totally. There is no remedy for it.”

 In "Perfume: The Story of a Murderer" by Patrick Süskind


Era escrava do desejo. Os grilhões invisíveis que se fixaram na sua pele, impediam-na de pensar com clareza. Sentia que o espaço entre aqueles dois corpos se tornava exíguo mesmo quando ele não estava porque afinal de contas, pensando bem, era junto dela que se encontrava sempre. Inscrito na pele, gravado no coração, abraçado sem retorno. O aroma do seu corpo, aquele que lhe garantia a inebriava sempre, lhe transformava o semblante, lhe viciava os sentidos, tomava conta dela, do seu sexo, do seu querer. Envolvia-a de tal forma que acabava por, erroneamente, o consubstanciar ali. E sorrir face à perspectiva de lhe oferecer o corpo sem cuidar de mais nada, sem cuidar do que se passava lá fora, sem cuidar do tempo, sem cuidar de ninguém. Era escrava daquele corpo que a usava e instigava a deixar-se usar sempre. A soltar as amarras e viajar no mar do seu prazer, a querer dar-lhe tudo, dar-se toda, beber tudo, bebê-lo todo. Era escrava do seu cheiro, que a constringia, a viciava, lhe fazia ser impossível dissociar o aroma que lhe deixava cravado na pele do prazer que almejava sentir, dissociar o aroma que deixava a pairar do rosto que inconscientemente sabia ser seu, sabia querer, sabia amar.
 
Support : Copyright © 2015. Celebrity Update - All Rights Reserved